Bonsai

Bonsai – Descrição / texto

O Bonsai foi criado por Paulo Trancoso em 1987. Naquela época havia apenas um restaurante japonês em Lisboa, e não servia sushi. Em 1989 o Bonsai passou para a família Yokochi, e assim se mantém até hoje. Entretanto surgiram muitos restaurantes japoneses e semi-japoneses, outros tantos fecharam, e o Bonsai perseverou e afirmou-se como o melhor e o mais tradicional. O restaurante está praticamente inalterado desde o início. Carece de melhorias importantes, mas os clientes insistem em que nada de nada deve mudar, que o Bonsai está perfeito assim, com todas as suas imperfeições. Este foi o enunciado apresentado por Luísa Yokochi quando nos encomendou o projecto para renovar o restaurante.

Um dos aspectos que mais apreciamos no Bonsai é o seu destacamento do exterior. A luz, o ruído e o movimento da rua não perpassam os shōji. O interior é denso, silencioso e intimista. É um espaço anti-moderno. A atmosfera do restaurante resulta do encontro não totalmente planeado de várias soluções ad hoc, de carácter quase temporário, mas de grande sensibilidade e eficácia.

O nosso projecto procurou melhorar o funcionamento do restaurante e, para isso, muitos espaços mudaram de posição e de forma. Mas não queríamos que esta atmosfera se perdesse. Procurámos isolar os elementos que constroem esta atmosfera, eliminando tudo aquilo que era acessório ou ineficaz, para depois os voltar a combinar, numa nova versão da mesma coisa. A intervenção é por isso não tanto autoral como processual, no sentido empregado na química: como se o restaurante fosse destilado para ficar mais denso, silencioso e intimista. Talvez não haja esforços ou argumentos que impeçam a desilusão dos clientes mais fiéis. Talvez o tempo mostre que tudo o que fizemos, sendo estranho, é totalmente familiar.


Desenhos


Processo


Mineralogia

Antes

Anúncio

O anúncio do Bonsai era exibido nos intervalos dos filmes da Costa do Castelo.


Ficha técnica

Local
Lisboa
Data
2015 - 2016
Área Construída
131 m²
Área do Terreno
136 m²

Arquitectura
Vasco Correia e Patrícia Sousa
Colaboraram
Sebastien Alfaiate e Joana Ramos